Retrospectiva 2015: Alvaro Dias afirma que recriação da CPMF, como quer o governo, não vai ajudar o País

O senador Alvaro Dias criticou no Plenário a decisão do governo Dilma de aumentar impostos e recriar a CPMF, com o envio, ao Congresso, de PEC para que o tributo passe a valer a partir do ano que vem. O senador alertou para o fato de que a recriação do tributo preocupa a população e não vai ajudar o país. Alvaro Dias explicou que, ao tomar um cafezinho, o brasileiro paga de 16,5% de impostos sobre o preço do pó do café; 30,6% sobre o açúcar e 37,8% de taxas incidentes no preço da água. E o pior, segundo Alvaro Dias, é que o brasileiro paga muito imposto, mas recebe poucos benefícios.

Pesquisa do Instituto Brasileiro do Planejamento Tributário comprova isso, de acordo com o senador. É que entre as 30 nações avaliadas no estudo, o Brasil teve a menor taxa de retorno dos impostos em benefícios nas áreas de saúde, educação e segurança, por exemplo. O Brasil ficou atrás inclusive de Argentina e Uruguai. Alvaro Dias afirmou que o Congresso Nacional não aprovará a recriação da CPMF, proposta pelo governo. Se aprovada, isso pioraria ainda mais a situação do país, disse o senador.

“Como desejar recuperar o crescimento da economia aumentando impostos? Aumentar impostos é aumentar dificuldades das empresas, é aumentar dificuldades de toda a cadeia produtiva, é promover a inflação, é promover recessão e desemprego. Aumentar impostos compromete, portanto, a capacidade de recuperação da nossa economia”, disse o senador Alvaro Dias.

De acordo com Alvaro Dias, até a primeira quinzena do mês de setembro os brasileiros já haviam pago R$ 1,4 trilhão em impostos, valor que deve chegar a R$ 2 trilhões até o final do ano de 2016, o equivalente ao produto interno bruto da Suécia.

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram