Repúdio aos que tentam impedir o TCU de fiscalizar corrupção e desvios em obras públicas

A reação da presidente Dilma Rousseff diante da recomendação do TCU de paralisar obras em que foram encontradas irregularidades graves, chamando de “absurda” a determinação do Tribunal, foi criticada pelo senador Alvaro Dias, no Plenário, nesta segunda-feira. O senador citou partes do relatório do Tribunal de Contas da União, em que são apontados problemas em sete obras executadas com recursos do governo federal, tais como superfaturamento, projeto básico deficiente, sobrepreço decorrente de custos mais altos que os praticados no mercado e execução de serviços com qualidade deficiente. Alvaro Dias disse ser “inadmissível” que a presidente Dilma qualifique de “absurdo” paralisar obras nas quais foram detectadas sérias irregularidades, e ressaltou que os ministros da Corte de Contas listaram problemas em 136 empreendimentos analisados pelos técnicos do tribunal.

“Estudos indicam que o Brasil perde cerca de US$ 80 bilhões anualmente com a corrupção, então, o que seria do nosso País sem o TCU? O que seria das contas públicas sem essa fiscalização competente, evidentemente limitada em função da escassez de instrumentos e de pessoal, mas que tem contribuído extraordinariamente para inibir a corrupção? Segundo o TCU, as correções propostas nas obras podem gerar benefícios de até R$ 1,2 bilhão aos cofres públicos, portanto, o governo devia acatar e solucionar as pendências, em vez de tentar limitar as atribuições do órgão, de inibir o processo de investigação, de fiscalização, de auditoria e de responsabilização’, afirmou o senador.

Alvaro Dias lembrou, em seu discurso, que é função constitucional do TCU fiscalizar a aplicação dos recursos públicos e que os técnicos avaliam as obras, apontando, quando há, as irregularidades. O senador destacou que cabe ao Congresso Nacional a palavra final sobre a paralisação ou não dos serviços. “Endereçar reprimenda ao TCU no momento em que ele exerce o seu papel constitucional é um contrassenso. Essa reação de Dilma vem na esteira do comportamento já apresentado por Lula, que reagiu negativamente diante de recomendações feitas pelo TCU de paralisar obras com irregularidades graves. A presidente disse que ninguém “repara o custo” de uma obra paralisada, mas por que ela não indaga quem repara o custo da corrupção, do roubo, da complacência, da leniência e da cumplicidade do governo com o desvio do dinheiro público?” questionou o senador no Plenário.

Foto: Luiz Wolff

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram