Reforma do Estado é imperativa – Sugestão de Leitura

Na rica Europa, sua região sul (Portugal, Espanha, Itália e Grécia) tem um padrão de renda comparativa, menor do que as nações da região norte. A renda “per capita” daqueles países, proporcionalmente, tem uma variável de 49% a 67% da “per capita” dos norte-americanos. No Brasil essa mesma proporção, em relação aos EUA, fica por volta de 30%. A diferença é enorme e comprova que nossa situação não é confortável. Para alcançar o padrão de renda do sul da Europa, com uma taxa de crescimento médio anual de 2,5% a 3%, advindo das fundamentais reformas estruturais que precisam serem feitas, o Brasil demoraria quase duas décadas. Com um crescimento anual médio de 4%, o tempo seria menor. Significa que, sem planejamento e reformas modernizadoras, viveremos engolfados em ciclos de crise. Potencialmente rico, mas capturado pelo patrimonialismo, edificou-se no Brasil realidade onde a “iniquidade social” e a “ineficiência econômica” formam um binômio poderoso e resistente a integrar o País na agenda do desenvolvimento sustentável.“Leia o artigo de Hélio Duque na integra clicando aqui”

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram