RDC, o dispositivo do governo que escancara as portas para a corrupção nas obras públicas

Aprovar a medida provisória do governo Dilma, que estende o Regime Diferenciado de Contratações para todas as licitações de obras públicas no País, não é apenas imoral e escândaloso, mas um verdadeiro crime de Lesa-Pátria. A afirmação foi feita pelo senador Alvaro Dias, na sessão plenária desta quarta-feira (14), ao criticar duramente a tentativa das lideranças governistas de tentar aprovar a MP 630, que torna o RDC a regra para todas as obras públicas no Brasil. Para o senador, a matéria sequer deveria ter sido pautada para um dia em que estão no Plenário os agentes comunitários de saúde e os defensores públicos aguardando a votação de projetos que lhes beneficiam.

“O que este Senado está votando é um monumental escândalo. O governo brasileiro teve sete anos para executar as obras que preparariam o país para acolher a Copa, mas entendeu que precisava de celeridade, assim adotando o RDC. O que aconteceu depois da implantação do dispositivo? 75% das obras para a competição não saíram do papel ou estão inconclusas, algumas inclusive paralisadas. O que há de real é que essas obras, sob o manto do RDC, estão superfaturadas. O RDC é a assinatura do superfaturamento. Este regime faz do Brasil o paraíso do superfaturamento, faz com que o País fique de portas abertas para a corrupção na administração pública”, afirmou o senador Alvaro Dias.

Os argumentos da relatora da medida, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), foram rebatidos por Alvaro Dias na Tribuna do Plenário. O senador questionou pontos da medida como a justificativa da celeridade: “Que celeridade é esta? Um terço das licitações deste regime, segundo o Dnit, estão fadadas ao fracasso!”. Outro ponto questionado diz respeito ao sigilo impostos às licitações: “Não há como admitir que um país envolvido em escândalos de corrupção tenha licitações com orçamentos sigilosos. Qual o objetivo da falta de transparência senão encobrir a falta de planejamento, a execução mal feita e o superfaturamento?”, disse o senador.

Na enfática defesa que fez pela rejeição à medida provisória, Alvaro Dias enfatizou que a propalada “agilidade” na contratação e na execução de obras e o preço mais baixo podem aparentemente funcionar, no curto prazo, mas apenas para atender projetos eleitorais de ocasião. Além disso, a agilidade custará muito caro no futuro. “Não há como fugir dessa constatação: ou os governos adotam conceitos rigorosos de planejamento, contratando projetos previamente, com o prazo necessário ao seu bom desenvolvimento e, a partir daí, definindo a empresa que executará a obra, ou seguiremos com essa política de atirar no escuro”, disse o senador, citando ainda declaração de José Roberto Bernasconi, presidente do Sinaenco (Sindicato da Arquitetura e da Engenharia): “a vítima será a sociedade, que sempre paga a conta”.

Ao concluir seu pronunciamento, o senador lembrou que a grande maioria de profissionais como urbanistas, arquitetos, engenheiros, se manifesta contrariamente a este regime. Para ele, o Congresso não deve avalizar uma medida que o governo tenta empurrar pensando apenas no seu interesse imediato, sem pensar no futuro do País.

“O que devemos ter presente é que não podemos legislar em função de circunstâncias, de momentos transitórios, de interesses localizados, mas devemos legislar pensando no futuro do País. E pensar no futuro do País, legislar pensando no futuro do País é colocar trancas nas portas que se abrem para a corrupção, e não arrebentá-las, para facilitar a vida dos desonestos. Legislar pensando no futuro do País é impedir que se desperdice o dinheiro público. Eu não tenho dúvida: seria possível fazer três, quatro, cinco vezes mais do que se faz hoje com o mesmo dinheiro se tivéssemos uma administração pública moralizada, uma administração pública combatendo a corrupção. O Senado não deveria avalizar esse retrocesso nem essa vocação para a irresponsabilidade administrativa. O Senado não deveria aceitar o arrombamento das portas da atividade pública para facilitar a passagem da corrupção e dos desonestos”, concluiu o senador Alvaro Dias.

Foto: Luiz Wolff

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Siga-nos nas redes sociais
Cadastre-se e seja notificado de todas as novidades do Portal.
Últimos posts
Marinha brasileira se destaca no combate à pandemia do coronavírus

Marinha brasileira se destaca no combate à pandemia do coronavírus

Marco On 12 de fevereiro de 2021 Destaque, Política

Uma balsa com um tanque de 90 mil metros cúbicos de oxigênio líquido atracou, no último sábado, no Porto Encontro das Águas, terminal da Petrobras em Manaus (AM), acompanhada pelo Navio-Patrulha Fluvial “Roraima”, subordinado ao

Alvaro Dias envia ao ministro da Infraestrutura reivindicações do setor produtivo sobre novos pedágios no Paraná

Alvaro Dias envia ao ministro da Infraestrutura reivindicações do setor produtivo sobre novos pedágios no Paraná

Marco On 8 de fevereiro de 2021 Destaque, Política

O senador Alvaro Dias, após receber documento com reivindicações de entidades de classe, empresariais, da agroindústria, do setor de logística de transporte e da sociedade organizada, decidiu enviar ofício ao ministro da Infraestrutura, Tarsício Gomes

Projeto de Alvaro Dias estabelece eleição direta e maior transparência na OAB

Projeto de Alvaro Dias estabelece eleição direta e maior transparência na OAB

Marco On 8 de fevereiro de 2021 Destaque, Política

O senador Alvaro Dias apresentou projeto de lei (PL), esta segunda-feira (08/02), que estabelece eleições diretas para a Diretoria do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), além de promover outras mudanças que

Alvaro Dias apresenta voto de pesar pelo falecimento do ex-prefeito Salazar Barreiros

Alvaro Dias apresenta voto de pesar pelo falecimento do ex-prefeito Salazar Barreiros

Marco On 5 de fevereiro de 2021 Destaque, Política

O senador Alvaro Dias fez um requerimento solicitando a inserção do voto de pesar pela morte do ex-prefeito de Cascavel, oeste do Paraná, Salazar Barreiros, nos anais do Senado Federal, nesta sexta-feira (5/2). “Com a

Citações

O foro privilegiado é o protetor daqueles que praticam atos de corrupção e permanecem impunes.

Mais de 90% da população deseja o fim dos privilégios das autoridades.

Só com o fim do foro privilegiado podemos afirmar que todos serão iguais perante a lei.

O foro privilegiado é essa perversidade que impede uma mãe de assistir justiça com a condenação de um criminoso que assassinou o seu filho.

Vamos olhar mais para o campo. A agricultura será a salvação do Brasil no pós-pandemia. A agricultura será fundamental.

Ao longo do tempo, o Brasil valorizou pouco a agricultura, deveria ter valorizado mais.