O caos urbano brasileiro – Sugestão de leitura

No verão baiano Caetano Veloso relembrava, com nostalgia, a cidade do Salvador da sua adolescência. Destacando imagens de filme de Orson Welles, onde ela aparece como uma obra prima urbanística. Citava Stefan Zweig, para quem o Brasil tinha as cidades mais bonitas do mundo. Entendendo: “Se tivesse havido consciência do valor estético da estrutura urbanística e arquitetônica de Salvador na altura em que Welles viu a cidade – ou quando eu vim de Santo Amaro – e tivéssemos podido planejar a modernização mantendo-a, teríamos hoje uma joia do Atlântico Sul, em lugar do caos que vemos”. O caos urbano não é localizado, estende-se pela quase totalidade das grandes cidades brasileiras.

Antropólogo e historiador o baiano Antonio Risério, inteligência ativa e criativa na análise do Brasil contemporâneo, autor de marcantes livros, onde se destaca “A Cidade no Brasil”, em “O Estado de S. Paulo” (25-01-2014), analisa com competência as oportunidades perdidas que levaram à maior crise urbana da história brasileira. Participante do núcleo estratégico das duas eleições de Lula da Silva à presidência, suas opiniões não podem ser catalogados de neoliberais. Transcreveremos algumas das suas constatações:

1. “Nossos governantes, numa verdadeira marcha da insensatez, abrem não da reforma urbana. Precisaríamos de um verdadeiro Ministério das Cidades, de prefeitos que não se comportassem como agentes da especulação imobiliária, de uma vontade coletiva de sair do buraco. As cidades brasileiras estão vivendo dias especificamente difíceis, de uma ponta a outra do País. Estão maltratadas, sujas, agressivas.”

2. “Salvador é uma mistura de cantora de aché, prostituta decadente e capoeirista bêbado, um vilarejo com elefantíase. O Rio vitrine olímpica? Tende a ser o paraíso do autoengano. O País não está nadando em dinheiro. A prioridade deveria ser a luta contra a favelização. São Paulo, diz muito da nossa força e de nossa miséria. Mas a cidade é bem maior que seus governantes.”

3. “As promessas não se transformam em realidade. O programa Minha Casa, Minha Vida constrói hoje as favelas do futuro. Todo mundo concorda que todos precisamos de um lugar onde morar. Mas por que até hoje isso não acontece. Milhões de brasileiros, depois de 20 anos de governos social-democratas, continuam amontoados em alojamentos deprimentes. Em nenhum outro lugar a desigualdade social se expressa de forma tão clara e brutal quanto na moradia.”

4. “O Brasil tende a ser o paraíso de autoengano. Depois de Antonio Palocci, a política econômica do governo meteu os pés pelas mãos. Estamos combinando crescimento medíocre e inflação controlada artificialmente. A prioridade deveria ser contra a favelização do País, por casas decentes e serviços públicos de qualidade, contra a violência e o narcotráfico, contra a podridão do sistema político e pelo direito de todos à cidade.”

5. “Até as manifestações de junho passam a ser vistas como subproduto da excelência dos governos do PT. Mas o Brasil não foi as ruas dizer que quer mais. O Brasil quer diferente. Quer um governo cujo compromisso maior não seja com o mercado e o consumo, mas com a melhoria das condições de vida das pessoas. Além disso, o que Fernando Henrique e o PT não querem reconhecer é que eles atiraram fora a oportunidade histórica de renovar a política no Brasil. As pessoas foram às ruas para dizer que é preciso revitalizar a democracia brasileira, hoje degradada.”

6. “Lula e Dilma, com sua ênfase consumista, privilegiaram o comércio de automóveis, dando uma contribuição imensa para encalacrar de vez nossas cidades. Além de não atender a maioria da população, o carro individual sai caro demais para o governo. Carro novo na rua obriga o governo a usar recursos para fazer ruas, pontes, viadutos, etc. É um gasto absurdo, que poderia se concentrar no transporte público e melhorar a vida das pessoas e das cidades.”

As opiniões sérias, contundentes e indesmentíveis do notável pensador soteropolitano, Antonio Risério, ocuparam uma página e meia do “Estadão”, por título “Em busca do urbanismo perdido.” Aqui reproduzimos trechos da sua abordagem original e inovadora de um assunto que tende a crescer no futuro: o caos urbano brasileiro.

Hélio Duque é doutor em Ciências, área econômica, pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Foi Deputado Federal (1978-1991). É autor de vários livros sobre a economia brasileira e suplente do Senador Alvaro Dias.

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Siga-nos nas redes sociais
Cadastre-se e seja notificado de todas as novidades do Portal.
Últimos posts
Marinha brasileira se destaca no combate à pandemia do coronavírus

Marinha brasileira se destaca no combate à pandemia do coronavírus

Marco On 12 de fevereiro de 2021 Destaque, Política

Uma balsa com um tanque de 90 mil metros cúbicos de oxigênio líquido atracou, no último sábado, no Porto Encontro das Águas, terminal da Petrobras em Manaus (AM), acompanhada pelo Navio-Patrulha Fluvial “Roraima”, subordinado ao

Alvaro Dias envia ao ministro da Infraestrutura reivindicações do setor produtivo sobre novos pedágios no Paraná

Alvaro Dias envia ao ministro da Infraestrutura reivindicações do setor produtivo sobre novos pedágios no Paraná

Marco On 8 de fevereiro de 2021 Destaque, Política

O senador Alvaro Dias, após receber documento com reivindicações de entidades de classe, empresariais, da agroindústria, do setor de logística de transporte e da sociedade organizada, decidiu enviar ofício ao ministro da Infraestrutura, Tarsício Gomes

Projeto de Alvaro Dias estabelece eleição direta e maior transparência na OAB

Projeto de Alvaro Dias estabelece eleição direta e maior transparência na OAB

Marco On 8 de fevereiro de 2021 Destaque, Política

O senador Alvaro Dias apresentou projeto de lei (PL), esta segunda-feira (08/02), que estabelece eleições diretas para a Diretoria do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), além de promover outras mudanças que

Alvaro Dias apresenta voto de pesar pelo falecimento do ex-prefeito Salazar Barreiros

Alvaro Dias apresenta voto de pesar pelo falecimento do ex-prefeito Salazar Barreiros

Marco On 5 de fevereiro de 2021 Destaque, Política

O senador Alvaro Dias fez um requerimento solicitando a inserção do voto de pesar pela morte do ex-prefeito de Cascavel, oeste do Paraná, Salazar Barreiros, nos anais do Senado Federal, nesta sexta-feira (5/2). “Com a

Citações

O foro privilegiado é o protetor daqueles que praticam atos de corrupção e permanecem impunes.

Mais de 90% da população deseja o fim dos privilégios das autoridades.

Só com o fim do foro privilegiado podemos afirmar que todos serão iguais perante a lei.

O foro privilegiado é essa perversidade que impede uma mãe de assistir justiça com a condenação de um criminoso que assassinou o seu filho.

Vamos olhar mais para o campo. A agricultura será a salvação do Brasil no pós-pandemia. A agricultura será fundamental.

Ao longo do tempo, o Brasil valorizou pouco a agricultura, deveria ter valorizado mais.