Novamente CCJ não inclui na pauta de votações projeto que susta efeitos do decreto que cria os conselhos populares

Com o seu nome ratificado pela Câmara como indicado pelo Congresso (com apoio do Palácio do Planalto) para assumir vaga de ministro do TCU, o senador Vital do Rêgo não incluiu na pauta da reunião da Comissão de Constituição e Justiça desta quarta-feira os dois projetos que sustam os efeitos do decreto presidencial que cria os conselhos populares. Vital do Rêgo, presidente da CCJ, marcou para esta quarta-feira sessão extraordinária para a votação do projeto que prevê a reforma do Código Penal. Após essa votação, será realizada a sessão ordinária, para a qual o senador do PMDB, em sua última participação no Congresso antes de seguir para o TCU, listou 43 projetos para serem apreciados e, se for possível, votados. Não constam desta lista o projeto de decreto legislativo de autoria do senador Alvaro Dias, que possui parecer favorável do senador Pedro Taques, nem o projeto com o mesmo teor já aprovado na Câmara, de autoria do deputado Mendonça Filho.

O projeto do senador Alvaro Dias há meses aguarda ser colocado em votação na CCJ, e susta os efeitos do decreto presidencial que institui a Política Nacional de Participação Social, conhecido como Decreto dos Conselhos Populares. O parecer do senador Pedro Taques (PDT-MT) é favorável ao projeto e defende a aprovação. Do ponto de vista técnico, Taques considerou que o decreto presidencial extrapola as prerrogativas do Executivo, porque deveria ser utilizado apenas para regulamentar uma lei já existente, mas vai além disso e cria nova legislação. Para o relator, a Presidência da República pode ser auxiliada por sua Secretaria-Geral no relacionamento com entidades da sociedade civil, mas não pode “inovar no ordenamento jurídico, muito menos enfraquecer regras delineadas pela própria Constituição”.

Como não será votado nesta semana, tanto o projeto do senador Alvaro Dias como o que já foi aprovado na Câmara só têm mais uma semana para serem apreciados na CCJ. Do contrário, só poderão ser analisados a partir de fevereiro de 2015. Com isso, o governo Dilma poderá começar seu segundo mandato contando com a participação dos conselhos populares na formulação das políticas públicas da administração petista.

Compartilhe este post

Facebook
Telegram
WhatsApp
Twitter
Email
Siga-nos nas redes sociais
Cadastre-se e seja notificado de todas as novidades do Portal.
Últimos posts
Podemos convida Alvaro Dias para ser candidato a presidente da República

Podemos convida Alvaro Dias para ser candidato a presidente da República

Marco On 5 de agosto de 2022 Featured Política

Durante a Convenção Nacional do Podemos, realizada neste domingo (31/07) em São Paulo, os integrantes do partido presentes no evento fizeram um convite ao senador Alvaro Dïas, aprovado de forma unânime por todos: que seja

Agência Câmara destaca projeto de Alvaro Dias que permite dedução no IR dos gastos com remédios

Agência Câmara destaca projeto de Alvaro Dias que permite dedução no IR dos gastos com remédios

Marco On 5 de agosto de 2022 Featured Política

A Agência Câmara de Notícias deu destaque ao projeto do senador Alvaro Dias que altera a legislação para permitir a dedução, no Imposto de Renda, das despesas com medicamentos de uso contínuo e de alto

Alvaro Dias aprova no Plenário 90 milhões de dólares para a educação no Paraná

Alvaro Dias aprova no Plenário 90 milhões de dólares para a educação no Paraná

Marco On 5 de agosto de 2022 Featured Política

O senador Alvaro Dias garantiu a aprovação, nesta quarta-feira (03/08), do seu relatório favorável à autorização para contratação de empréstimo de US$ 90,56 milhões do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para o financiamento do Programa

Segue para sanção projeto de Alvaro Dias que garante a agricultores maior acesso a soluções tecnológicas

Segue para sanção projeto de Alvaro Dias que garante a agricultores maior acesso a soluções tecnológicas

Marco On 5 de agosto de 2022 Featured Política

Está seguindo nesta semana para sanção do presidente da República o projeto do senador Alvaro Dias que tem como objetivo permitir aos agricultores acesso rápido e abrangente às tecnologias desenvolvidas pela Empresa Brasileira de Pesquisa

Citações

O foro privilegiado é o protetor daqueles que praticam atos de corrupção e permanecem impunes.

Mais de 90% da população deseja o fim dos privilégios das autoridades.

Só com o fim do foro privilegiado podemos afirmar que todos serão iguais perante a lei.

O foro privilegiado é essa perversidade que impede uma mãe de assistir justiça com a condenação de um criminoso que assassinou o seu filho.

Vamos olhar mais para o campo. A agricultura será a salvação do Brasil no pós-pandemia. A agricultura será fundamental.

Ao longo do tempo, o Brasil valorizou pouco a agricultura, deveria ter valorizado mais.