Na sessão histórica, voto sim pelo impeachment e certeza do crime de responsabilidade de Dilma

Em seu pronunciamento na histórica sessão deste dia 11 de maio de 2016, o líder do PV, Alvaro Dias, anunciou o voto “sim” à admissibilidade do processo de impeachment de Dilma Rousseff, e disse ter a convicção de que a presidente da República cometeu crime de responsabilidade. Para Alvaro Dias, o relatório do senador Antonio Anastasia, elaborado com base nos pareceres da professora Janaína Paschoal e do jurista Miguel Reale Jr, conseguiu provar que a presidente feriu de forma visível os alicerces básicos da Lei de Responsabilidade Fiscal, mesmo tendo sido alertada da irregularidade da prática denominada de “pedaladas”.

O líder do PV destacou no Plenário que o processo do impeachment não começou agora, mas há alguns anos.
“Em 2005, em meio ao escândalo do mensalão, na CPI dos Correios, sugeri o impeachment do Presidente Lula. Naquele momento, em alta popularidade, não houve apoio. Fiquei só. Depois, os escândalos se sucederam, uma série de escândalos intermináveis: CPI’s, auditorias, representações ao Ministério Público Federal. Somente em relação à Petrobras, foram dezenove representações protocoladas pela oposição. Certamente se as providências adequadas fossem adotadas no tempo devido, hoje o País não estaria assistindo a esse monumental e histórico rombo nos cofres públicos da Nação. E certamente o povo brasileiro não seria vítima dessa crise sem precedentes, da inflação, da recessão, do desemprego que se alarga, empobrecendo o povo do País”, afirmou o senador.

Alvaro Dias afirmou também que, como consequência do desastre administrativo que foi o governo Dilma, uma investigação judiciária exitosa definiu, já no mensalão, um complexo e sofisticado esquema de corrupção atuando em nome de um projeto de poder de longo prazo, arquitetado por uma organização criminosa. E na esteira desses escândalos, ocorreu a insatisfação popular.

“O maior desserviço que se prestou à Nação, nos últimos anos, foi a banalização da corrupção. Mas agora eu vejo a fotografia do País com duas faces: de um lado, a indignação; e do outro lado, a esperança. De um lado, a indignação, a revolta e o protesto, fazendo com que o Brasil seja uma Nação em mudança. E essa mudança começa nas ruas, com multidões indignadas pedindo o impeachment da Presidente da República. E no embalo das multidões, a mudança chega a instituições essenciais ao Estado de direito democrático, em que estão fincados os alicerces básicos da democracia: Ministério Público, Polícia Federal e Justiça Federal. E nós assistimos o nascimento de uma nova Nação, com a capacidade de indignação e a exigência de mudanças. E assistimos o surgimento de uma nova Justiça, substituindo aquele conceito arraigado de que a Justiça, no Brasil, alcançava apenas os pobres”, disse Alvaro Dias.

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram