Governo do PT e Evo Morales: estranhas coincidências envolvem indenizações, estradas, BNDES, Petrobras…

No final do mês de dezembro, o Ministério Público Federal pediu que o Tribunal de Contas da União amplie a investigação sobre a operação que levou a Petrobras a pagar milhões de dólares a mais à petrolífera boliviana YPFB, pela importação de gás da Bolívia para o Brasil. A iniciativa foi tomada depois que a revista Época publicou uma reportagem revelando os termos de um aditivo contratual, assinado em dezembro de 2009, que fabricou a dívida milionária em troca de um produto jamais utilizado pela estatal brasileira: a “parte rica” do mesmo gás. YPFB e Petrobras mudaram o contrato de fornecimento de gás para que a empresa brasileira passasse a pagar mais pelo mesmo produto, sem contrapartidas dos bolivianos. O polêmico aditivo vinha sendo discutido entre as empresas até a Petrobras, sob o comando de Graça Foster, pagar a maior das parcelas dessa cobrança, em agosto de 2014: US$ 434 milhões.

Na verdade, a história do pagamento da indenização da Petrobras à Bolívia possui outros emaranhados e uma série de estranhas coincidências. Em março de 2009, o governo brasileiro aprovou o pedido de garantia de um empréstimo de US$ 332 milhões do BNDES para a construção de uma estrada na Bolívia pela empreiteira OAS. O projeto, cujo financiamento era uma promessa do presidente Lula ao colega Evo Morales, passou a ser investigado por suspeitas de superfaturamento e de favorecimento à construtora brasileira. Na Bolívia, passaram a ser investigados indícios de que a estrada San Ignácio-Villa Tunari estaria superfaturada em até US$ 215 milhões e de que mudanças de última hora na licitação, realizada em 2008, favoreceram a OAS, a única empresa que participou do processo.

A obra acabou não se consolidando por conta de protestos de grupos indígenas locais, e o governo da Bolívia decidiu não permitir mais a construção da estrada e aceitou indenizar a construtora brasileira OAS pelo cancelamento de um contrato que já estava na casa dos US$ 415 milhões. Em 2011, o ex-presidente Lula chegou a ir à Bolívia tentar interceder junto ao presidente Evo Morales para tentar retomar as negociações em torno da estrada, cuja conclusão estava prevista para 2014.

Apesar das tentativas de Lula e do governo brasileiro, que também interveio nos bastidores para destravar as obras, em abril de 2012 a Bolívia cancelou o projeto da OAS, alegando não cumprimento de contrato. A disputa expôs a tensão frente à expansão das construtoras brasileiras na América Latina que, financiadas por crédito do BNDES, venceram licitações para construir estradas, pontes, linhas de metrô e gasodutos da América Central à Patagônia. A OAS pediu ressarcimento de US$ 197 milhões, valor que não foi aceito pelo presidente boliviano Evo Morales. Em 2013, após um ano e meio de controvérsias, a Bolívia aceitou pagar a indenização, por valor menor (especula-se que pagou cerca de US$ 140 milhões). Ainda não se sabe se a indenização foi paga pelos bolivianos.

Em meio à polêmica sobre o pagamento do cancelamento do contrato para a obra da estrada, a Petrobras acertou com o governo boliviano o pagamento de US$ 434 milhões por componentes que chegam junto com o gás fornecido pela Bolívia ao Brasil. Os recursos foram pagos a título de indenização e incluíram acerto de débitos atrasados. Segundo o Tribunal de Contas da União, o pagamento não estava previsto em contrato e os componentes bolivianos não são aproveitados pela Petrobras. A Petrobras teria pago o valor de uma só vez, incluindo os atrasados, embora não faça uso desses componentes. O TCU abriu processo para entender o que levou a Petrobras a tomar a decisão de pagar por esses componentes. “Queremos saber por que pagou, baseado em que, quem autorizou, para poder tomar uma providência”, afirmou o ministro José Jorge, no ano passado.

Resumo da ópera: a OAS pegou uma obra de estrada na Bolívia com financiamento de 80% do BNDES, e chegou a tocar quase a metade das obras. As obras foram canceladas pelo governo boliviano por problemas com comunidades indígenas que habitavam a região por onde passaria a estrada. O governo Evo Morales se negou a indenizar a OAS. O ex-presidente Lula vai a Bolívia no jato da OAS para falar com Evo Morales, o governo brasileiro também entra no circuito fazendo pressão. Evo Morales aceita, depois de algum tempo, ressarcir a OAS, mas por um valor menor. Algum tempo depois, a Petrobrás decide fazer um pagamento retroativo à Bolívia, de mais de US$ 400 milhões, fora do contrato inicial e com argumentos frágeis e contestados pelo TCU. Terá a Petrobras sido usada para ressarcir Evo Morales pelo fato do governo boliviano ter indenizado a OAS por uma estrada que recebeu dinheiro do BNDES e não foi concluída? Com a palavra, o TCU e o governo brasileiro.

Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Siga-nos nas redes sociais
Cadastre-se e seja notificado de todas as novidades do Portal.
Últimos posts
Marinha brasileira se destaca no combate à pandemia do coronavírus

Marinha brasileira se destaca no combate à pandemia do coronavírus

Marco On 12 de fevereiro de 2021 Destaque, Política

Uma balsa com um tanque de 90 mil metros cúbicos de oxigênio líquido atracou, no último sábado, no Porto Encontro das Águas, terminal da Petrobras em Manaus (AM), acompanhada pelo Navio-Patrulha Fluvial “Roraima”, subordinado ao

Alvaro Dias envia ao ministro da Infraestrutura reivindicações do setor produtivo sobre novos pedágios no Paraná

Alvaro Dias envia ao ministro da Infraestrutura reivindicações do setor produtivo sobre novos pedágios no Paraná

Marco On 8 de fevereiro de 2021 Destaque, Política

O senador Alvaro Dias, após receber documento com reivindicações de entidades de classe, empresariais, da agroindústria, do setor de logística de transporte e da sociedade organizada, decidiu enviar ofício ao ministro da Infraestrutura, Tarsício Gomes

Projeto de Alvaro Dias estabelece eleição direta e maior transparência na OAB

Projeto de Alvaro Dias estabelece eleição direta e maior transparência na OAB

Marco On 8 de fevereiro de 2021 Destaque, Política

O senador Alvaro Dias apresentou projeto de lei (PL), esta segunda-feira (08/02), que estabelece eleições diretas para a Diretoria do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), além de promover outras mudanças que

Alvaro Dias apresenta voto de pesar pelo falecimento do ex-prefeito Salazar Barreiros

Alvaro Dias apresenta voto de pesar pelo falecimento do ex-prefeito Salazar Barreiros

Marco On 5 de fevereiro de 2021 Destaque, Política

O senador Alvaro Dias fez um requerimento solicitando a inserção do voto de pesar pela morte do ex-prefeito de Cascavel, oeste do Paraná, Salazar Barreiros, nos anais do Senado Federal, nesta sexta-feira (5/2). “Com a

Citações

O foro privilegiado é o protetor daqueles que praticam atos de corrupção e permanecem impunes.

Mais de 90% da população deseja o fim dos privilégios das autoridades.

Só com o fim do foro privilegiado podemos afirmar que todos serão iguais perante a lei.

O foro privilegiado é essa perversidade que impede uma mãe de assistir justiça com a condenação de um criminoso que assassinou o seu filho.

Vamos olhar mais para o campo. A agricultura será a salvação do Brasil no pós-pandemia. A agricultura será fundamental.

Ao longo do tempo, o Brasil valorizou pouco a agricultura, deveria ter valorizado mais.