Gabriel Leal de Barros: “não há bala de prata para recuperar a economia”

“Um longo caminho pela frente”

Artigo de Gabriel Leal de Barros
Economista e Diretor da Instituição Fiscal Independente
(publicado no jornal Folha de S.Paulo e reproduzido neste site)

Os números divulgados pelo governo sobre suas contas, em 2017, apontaram um quadro mais benigno do que o esperado pela IFI, pelo mercado e mesmo pela equipe econômica.

Contudo, a vitória é apenas parcial. Ela não exime o país de realizar mudanças que promovam a convergência do quadro fiscal a padrões adequados de controle do déficit e da dívida pública nos próximos anos. Isso dependerá da capacidade deste e do próximo governo em realizar profundo ajuste nas contas públicas.

A conta do setor público fechou no vermelho, em 2017, em R$ 110,6 bilhões, com peso importante de receitas atípicas e corte das chamadas despesas discricionários (não obrigatórios), no caso do governo federal. Só nas despesas com o PAC, que contempla boa parte dos programas de investimento público federal, a queda observada em relação a 2016 foi superior a 30% em termos reais.
A meta de déficit primário (sem contar juros da dívida) de R$ 163,1 bilhões, incluindo estados, municípios e União, acabou sendo cumprida com folga – uma bênção e uma maldição, simultaneamente. A sinalização de curto prazo é positiva, mas a sustentabilidade de um programa de ajuste focado na derrubada de investimentos e em cerca de R$ 90 bilhões de receitas atípicas é de baixo alcance. As despesas com pessoal, para que se tenha ideia, cresceram acima de 6% em termos reais.

É verdade que houveram avanços importantes, sobretudo a adoção de um teto para os gastos, que evidenciou a restrição orçamentária e insustentabilidade das contas públicas para a sociedade. No entanto, o que vem pela frente exigirá maturidade bastante superior dos gestores de política econômica, das instituições, da política e, na realidade, de toda a nação.

Nas contas da IFI, que podem ser conhecidas no Relatório de Acompanhamento Fiscal divulgado hoje em nosso site (www12.senado.leg.br/IFI), o déficit primário deverá reverter-se em superávit apenas em 2023, com a dívida crescendo até esse período, para então iniciar gradativa trajetória de queda. Trata-se de um cenário mais benigno do que o traçado por nós em outubro do ano passado, quando da última revisão, mas ainda assim particularmente desafiador.

Em 2018, a ajuda de receitas extraordinárias pode ainda ser elevada, mas o déficit primário tende a ser pior do que no ano anterior. A partir de 2019, será cada vez mais importante aprovar medidas que tratem efetivamente o comportamento da despesa obrigatória, em particular, bem como das receitas não financeiras. Não custa lembrar que o resultado fiscal recorrente, livre dos efeitos extraordinários, encerrou 2017 em nível notadamente pior do que o indicador oficial (1,7% do PIB), em torno de 3% do PIB.

A estratégia de política fiscal deve ter como diretriz a recuperação da solvência e sustentabilidade do estado brasileiro, medido na sua relação dívida/PIB. Apesar das melhores expectativas para o crescimento econômico de médio prazo, de 2% a 2,5% ao ano, a dívida continuará em expansão e demandará um superávit primário em torno de 2,5% do PIB para sua estabilização. Resta, portanto, uma profunda consolidação fiscal da ordem de 4 a 4,5 p.p do PIB.

A magnitude do ajuste per se revela que nenhuma medida isoladamente será suficiente para equacionar o desequilíbrio fiscal, mas sim uma inteligente combinação de medidas tanto pelo lado do gasto quanto da arrecadação. Não há bala de prata.

Estamos apenas no início de um longo caminho a ser percorrido. Não percamos o ânimo e a perseverança de avançarmos não apenas como país, mas como nação.

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram