Com agravamento da crise econômica, Alvaro Dias cobra redução de impostos e da dívida pública

O Líder do Podemos, senador Alvaro Dias, apresentou em plenário, nesta segunda-feira (24/6), dados fornecidos pelo Ministério da Economia – via Lei de Acesso à Informação – que mostram que o aumento da carga tributária e do endividamento do governo nos últimos anos são consequência da incompetência administrativa e da corrupção.

Ele informou que de 1998 a 2006, a carga tributária passou de 26% para 33,6% do PIB (Produto Interno Bruto). Esse aumento, como avaliou, foi gerado para cobrir excesso de gastos. Diante do cenário, ficou impossível aumentar ainda mais a carga tributária e, a partir de 2007, o governo optou pelo endividamento público para cobrir as despesas: “Para tapar os buracos abertos pela incompetência administrativa ou pela corrupção, os governos colocavam a mão grande no bolso dos contribuintes brasileiros, aumentando a carga tributária de forma exorbitante. Em 2007, a carga tributária bateu no teto. Não era mais possível aumentar impostos, e os governos, a partir daí, de 2007 a 2018, patrocinaram o endividamento para cobrir o excesso de gastos e políticas econômicas equivocadas”, destacou o Líder do Podemos

Daquele ano até 2019, a dívida pública bruta — que era de R$ 1,6 trilhão — passou para R$ 5,4 trilhões. Mesmo reconhecendo que muitos países também se endividaram nos últimos anos, Alvaro Dias lembrou que, diferentemente do Brasil, os governos daqueles países usaram o dinheiro em investimentos produtivos: “No Brasil, esse dinheiro engordou as estatísticas econômicas do sistema financeiro. O que ficou para os brasileiros, além de dívida para pagar e a obrigação de sacrificar os domingos para saírem às ruas em defesa da decência na Administração Pública e da punição daqueles que devastaram o Brasil com práticas de corrupção sistematizada? Olhando bem ao redor, nada aconteceu. Os investimentos não se apresentaram. O Governo jogou bilhões pela janela”.

Alvaro Dias destacou ainda que, considerando o custo da dívida pública do Brasil, que segundo informações do Ministério da Economia é de 9,79% ao ano, a dívida de R$5,479 trilhões deverá, para 2019, cobrar juros de aproximadamente R$536 bilhões. Também anunciou que vai pedir explicações ao Banco Central sobre as taxas de juros cobradas pelos bancos. “A pauta que interessa ao Brasil é a construção de um ambiente econômico que prestigie o setor produtivo, a adoção de uma política criminal que desorganize o crime organizado e a realização de uma gestão pública que aproveite bem e adequadamente cada centavo que os brasileiros direcionam ao governo, por meio dos impostos pagos, muitas vezes, sem poder pagar”, analisou o senador

Assista a íntegra do discurso aqui

Foto Thati A.Martins

 

 

 

 

 

 

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram