Biografia

Alvaro

Dias

Biografia

Alvaro Dias está no quarto mandato de senador – reeleito em 2014 com quase 80% dos votos válidos – e é o atual Líder do Podemos. Foi vereador, deputado estadual, deputado federal e governador do Paraná, apontado pelo Datafolha como o melhor governador do Brasil. Indicado pelo DIAP, nos últimos anos, como um dos mais influentes parlamentares do País, também foi escolhido, por meio de votação realizada pelo site Congresso em Foco, o melhor senador do País em 2006. O Senador Alvaro Dias é licenciado em História pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade Estadual de Londrina. Em julho de 2007, recebeu em San Diego, na Califórnia, o diploma de Doutor honoris causa em Administração Governamental (Doctor of Government Administration) pela Southern States University. O senador Alvaro Dias, casado com Débora Dias, possui quatro filhos: Raphaela, Carolina, Alvaro e Raíssa.

Carreira Política

2018

Candidato à presidência em 2018

Candidato à presidência do país, em 2018, Alvaro Dias prometia “refundar” a República e romper com o modelo político, que ele classificava como um balcão de negócios. A proposta se resumia em um conjunto de reformas que começaria pela reforma de Estado necessária para acabar com a velha política, substituindo o sistema de governança, marcado pela incompetência e corrupção, por um novo sistema baseado em um pacto social com a população para renovar a política do país. Entre os candidatos a Presidência, foi um dos políticos com os menores índices de rejeição.
2018
2014

Senador pelo Paraná pela 4ª vez

Nas eleições 2014, Alvaro Dias foi reeleito para o terceiro mandado consecutivo como senador da República com 4 101.848 votos, 77 por cento dos votos válidos, tendo como primeiro suplente Joel Malucelli. No segundo semestre de 2015, Alvaro Dias desfiliou-se do PSDB, partido onde permaneceu por mais de dez anos, para entrar no PV, assim almejando concorrer para presidente nas eleições de 2018.
2014
2006

Senador pelo Paraná pela 3ª vez

Foi reeleito ao cargo de senador em 2006, com 2.572.481 votos, 50,5 por cento do votos válidos, tendo como primeiro suplente Wilson Matos. Em 2010, foi apontado pelo PSDB para ser candidato a vice-presidente na chapa de José Serra, porém foi rejeitado pelos outros partidos da coalizão. Foi líder do PSDB no Senado Federal de fevereiro de 2011 a janeiro de 2013.
2006
1998

Senador pelo Paraná pela 2ª vez

Em 1998, elegeu-se senador da República pela segunda vez – a primeira desde a redemocratização – com 2.532.010 votos.
1998
1986

Governador do Paraná

Em 1986, foi eleito governador do Paraná com 2.347.795 votos, na legenda do PMDB, derrotando o candidato da Frente Popular de Oposições, o ex-deputado federal Alencar Furtado, que concorreu na legenda do Partido Municipalista Brasileiro (PMB), apoiado pelo Partido da Frente Liberal (PFL) e pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT), legenda do candidato a vice-governador, o ex-prefeito de Curitiba Jaime Lerner. Nessas eleições, o PMDB elegeu os governadores de todos os estados, com exceção de Sergipe.
1986
1982

Primeiro Comício Diretas Já

Em 1984, foi organizador do primeiro grande comício realizado em Curitiba pelas Diretas Já, contrariando a opinião de setores moderados do partido que relutavam em levar a campanha às ruas, que ocorreu em 12 de janeiro de 1984, com palanque montado na praça Osório na região da Boca Maldita, no centro de Curitiba.
1982
1982

Senador pelo Paraná pela 1ª vez

Em 1982, foi eleito senador pelo PMDB, com 1.668.495 votos, ao derrotar o ex-governador paranaense Nei Braga, candidato do Partido Democrático Social (PDS), num contexto de ascensão das forças oposicionistas ao governo federal. Tomou posse em seu mandato de senador em fevereiro de 1983, tendo sido presidente da Comissão de Educação e Cultura, da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), encarregada de investigar atos de terrorismo, além de suplente das comissões de Legislação Social e de Relações Exteriores. Nesse período, exerceu a presidência do diretório regional do PMDB paranaense e concentrou sua atuação no movimento pela redemocratização do país, participando ativamente da campanha das diretas para a presidência da República.
1982
1974

Deputado Federal pelo Paraná

Nas eleições de 1974, foi eleito deputado federal com 175 434 votos. Assumiu a cadeira em 1975, sendo reeleito nas eleições de 1978 com 127 903 votos, a maior votação em toda a história de seu estado. Durante sua legislatura, teve seu nome incluído em diversas listas de cassação elaboradas pelo regime militar, em virtude de sua postura radicalmente oposicionista ao governo federal. Em seu segundo mandato, iniciado em 1979, tornou-se um dos vice-líderes do MDB na Câmara, destacando-se ainda por seus veementes discursos denunciando a existência de corrupção no governo militar. Com a extinção do bipartidarismo em 29 de novembro de 1979 e a consequente reformulação partidária, filiou-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB).
1974
1970

Deputado Estadual Paraná

Nas eleições de 1970, concorreu ao cargo de deputado estadual, tendo sido eleito e exercendo o cargo até 1974.
1970
1968

Vereador por Londrina

Nas eleições de 1970, concorreu ao cargo de deputado estadual, tendo sido eleito e exercendo o cargo até 1974.
1968