Aprovado projeto de Alvaro Dias que facilita a importação de remédios

Os senadores da Comissão de Assuntos Econômicos aprovaram nesta terça-feira (15), por unanimidade, projeto de Alvaro Dias que facilita a importação de medicamentos que não são produzidos no Brasil, os chamados medicamentos órfãos. Esses medicamentos se destinam ao tratamento de doenças raras e são produzidos no exterior, e com o projeto do senador Alvaro Dias, mesmo que não estejam regulamentados no Brasil, poderão ser comprados por importadoras se tiverem registro na Comunidade Europeia ou nos Estados Unidos. O projeto foi relatado na CAE pelo senador Ronaldo Caiado (DEM-GO).

O projeto do senador Alvaro Dias define claramente uma exceção à regra atual que veda a importação de medicamentos, drogas e insumos farmacêuticos sem prévia autorização do Ministério da Saúde, para favorecer a importação desses remédios diretamente por pessoas físicas, em quantidade adequada para uso individual. Hoje, a importação pode ser feita de modo direto pelo usuário, desde que o produto conste de lista elaborada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de medicamentos para doenças raras. Com o projeto, a lógica será inversa: a lista será composta dos medicamentos submetidos a regime especial de controle e que não se destinem à revenda ou comércio. Somente esses não poderão ser livremente importados. Já o procedimento de autorização para a importação de “medicamento órfão” por empresa importadora deverá seguir rito simplificado, a ser regulamentado pelo governo.

Ao defender a aprovação do projeto, o senador Alvaro Dias destacou que a ideia da proposição é reduzir a burocracia governamental e facilitar o acesso dos doentes a medicamentos que não são produzidos no País. Alvaro Dias lembrou que o projeto nasceu a partir de debates realizados em audiência pública realizada no Senado, quando foi constatado que o Estado não ajuda no processo de importação ou produção doméstica de determinados medicamentos. Para o senador, já que a produção destes medicamentos não interessa aos laboratórios, é justo que o governo não atrapalhe os doentes e ofereça condições e mecanismos céleres para a importação dos remédios.

“Evidentemente, estamos tratando, com este projeto, daquilo que deveria ser a suprema lei no Brasil: a saúde da nossa gente. Cumprimento o senador Caiado, pelo parecer de especialista que apresentou. Esse projeto nasceu de uma audiência pública que realizamos com a presença do ministro da Saúde, de representantes de laboratórios e de pessoas ou familiares de doentes acometidos por doenças graves e impedidos de se medicarem em função de restrições burocráticas. Constatamos na audiência a enorme dificuldade enfrentada por pessoas cuja saúde depende da importação desses medicamentos ausentes no mercado nacional. Temos que superar este impasse burocrático e legal para permitir que pessoas que sofrem o infortúnio de doenças tenham a possibilidade de se salvaram com a importação de remédios que não são produzidos aqui”, afirmou o senador Alvaro Dias.

O projeto recebeu o apoio de diversos senadores, como Waldemir Moka, Lúcia Vânia e Marcello Crivella. Com a aprovação na CAE, a proposição agora será votada na Comissão de Assuntos Sociais, em caráter terminativo.

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram