Acabar com o “balcão de negócios” é desafio para o próximo presidente

Se tiver coragem para propor grandes mudanças, credibilidade e capacidade de se comunicar com a sociedade, segundo o senador Alvaro Dias (Podemos/PR),  o presidente que for eleito em 2018 terá, sim, condições de substituir por outro o sistema de governo atual, que ele classifica como “balcão de negócios promíscuos, usina de grandes escândalos, matriz dos governos corruptos, clonado e transplantado para os estados.” O senador defendeu esse ponto de vista em palestra que proferiu em Curitiba na quinta-feira à noite, no Tribunal de Justiça do Paraná, durante o evento “Panorama Jurídico”,  que reuniu alunos do Curso de Direito da Universidade Tuiuti.

Alvaro Dias enfatizou aos estudantes que o modelo de estado vigente faliu e é preciso agora um novo conceito. “E essa – explicou – é uma tarefa para o próximo presidente, porque o atual optou por manter a mesma orientação da sua antecessora – esse sistema corrupto, de relação promíscua entre executivo, legislativo, partidos políticos e setores da iniciativa privada.”

Segundo o senador, o governo atual é somente “um sucedâneo do governo anterior, ou o mesmo governo, porque houve apenas a substituição de quem preside – os agentes públicos são os mesmos, com pequenas alterações e o sistema adotado é o mesmo, não houve alteração.” Alvaro disse ter consciência de que muita gente considera impossível governar sem a cooptação de apoios partidários que ocorre atualmente e lembrou que, no final de semana, em palestra para a qual foi convidado na Associação Comercial de Porto Alegre,  ouviu gente manifestando essa dúvida: “Como governar sem o apoio do Congresso e como ter o apoio do Congresso sem comprar parlamentares”.

“Não tenho dúvida – explicou – de que isso é possível, bastando inverter as prioridades: primeiro, conquistar o apoio da sociedade, propondo aquelas reformas que o Brasil considera necessárias; depois, respaldado pela sociedade, ir buscar o apoio do Legislativo, porque os nossos parlamentares não costumam remar contra a maré da opinião pública – quando o povo quer, o Congresso vai atrás.”

Alvaro reafirmou aos estudantes seu ponto de vista de que foi um erro o impeachment só da presidente Dilma, poupando seu vice. “Tivesse sido destituída a chapa completa naquela ocasião – explicou – estaríamos agora sob o governo de um presidente com mais condições para realizar as reformas de que o país necessita, porque teria a credibilidade de quem exerce um mandato legitimado pelo voto direto.”

Sergio Moro

No início de sua palestra Alvaro Dias fez questão de enfatizar seu repúdio às agressões de que o Judiciário vem sendo vítima, “em especial aquelas dirigidas ao juiz Sergio Moro, figura emblemática da nossa nova Justiça, que deixou de ser aquela Justiça que só julgava e condenava pobres.” O senador enfatizou estender sua homenagem também à Polícia Federal e ao Ministério Público, lembrando que a atuação das três instituições “faz renascer no povo brasileiro a esperança de uma sociedade mais justa”.

Leonardo Santos

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no telegram
Telegram