O senador Alvaro Dias apresentou requerimento para voto de pesar em homenagem ao médico sanitarista e professor universitário Luiz Cordoni Júnior, que faleceu no último dia 02 de agosto, em Londrina. No seu requerimento, o senador afirmou que a saúde pública do Estado do Paraná, o ensino de medicina em Londrina e o universo das pessoas éticas ficaram mais pobres com o falecimento de Cordoni Jr.

Natural de Botucatu, Cordoni chegou a Londrina para estudar medicina, apaixonou-se pela cidade e a elegeu como seu lar. Integrante da primeira turma formada pelo Curso de Medicina da Universidade Estadual de Londrina, em 1972, já nos bancos universitários se destacava como uma liderança. Seus colegas o elegeram presidente do diretório acadêmico do Centro de Ciências da Saúde. Naquela função, Cordoni teve uma atuação firme, porém sempre equilibrada, em defesa dos interesses dos estudantes e principalmente da causa que então empolgava a juventude do nosso país – a resistência aos desmandos dos governos discricionários impostos pelos militares.

Formado médico, com especialização em Pediatria, até por suas preocupações sociais Cordoni voltou-se para saúde coletiva e empenhou-se em aprimorar seus conhecimentos naquela área: na USP, Universidade de São Paulo, fez especialização em Saúde Pública, mestrado em Medicina Preventiva e depois doutorado em Saúde Pública.

Apaixonado pelo campo da medicina que escolhera, Cordoni nunca deixou de participar, sempre em posição de liderança, de iniciativas voltadas ao desenvolvimento e aprimoramento da atividade: atuou na fundação do Centro Brasileiro de Estudos da Saúde e da Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, integrando várias vezes suas diretorias e conselhos; foi igualmente um dos fundadores e primeiro presidente do Nesco/Inesco (Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva); durante anos, foi também editor científico da revista Espaço para a Saúde.

“Por essa vida dedicada a causa tão nobre, bem como pelo exemplo de cidadão ético, íntegro e sempre voltado ao bem comum, Luiz Cordoni Júnior com certeza deixou seu nome escrito nas páginas da história da medicina e da saúde pública no Paraná. Que a certeza do reconhecimento por todos que com ele conviveram ou acompanharam seu trabalho, do papel relevante que desempenhou e da alma generosa que sempre foi, ajude ao menos a atenuar um pouco a dor que certamente estão sentindo os filhos que ele deixou – Mariana, Lia e Daniel – e a jornalista e artista plástica Regina Menezes, sua esposa e leal companheira por longas décadas. Por tudo isso, estou certo de que esta Casa aprovará o Voto de Pesar que sinto-me honrado em propor, pelo falecimento do inesquecível médico sanitarista, professor universitário e cidadão exemplar que foi Luiz Cordoni Júnior”, afirmou Alvaro Dias em seu requerimento.